Perda de documentos foi responsável por 24% das fraudes no último ano

  • 20 de agosto de 2019 - 08:30



Uma pesquisa realizada pelo SPC Brasil, repassada para a Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Palmas, mostrou alguns dados sobre as fraudes financeiras. O levantamento revelou que 46% dos internautas brasileiros foram vítimas de algum tipo de golpe nos últimos 12 meses.

 

Conforme aponta a pesquisa, 51% dos internautas tiveram prejuízo financeiro com a fraude sofrida. O valor médio desse prejuízo foi de R$478. No que diz respeito ao fatos que antecederam a fraude, o mais comum foi a perda de documentos pessoais (24%), seguido por roubo, assalto ou furto (21%), perda de cartão de débito ou crédito (18%) e fornecimento acidental de dados pessoais para terceiros por telefone, e-mail, WhatsApp ou em sites (13%).

 

Para Silvan Portilho, presidente da CDL Palmas, é preciso que o consumidor redobre a atenção nos meios eletrônicos. “É preciso que o internauta desconfie de ofertas muito fáceis, pois pode ser um fraude. O comércio online tem crescido, pois permite comodidade, competitividade e muita facilidade, mas no meio de sites seguros e confiáveis, existem pessoas de má fé tentando tirar vantagens indevidas. Verifique sempre se está em um site oficial, não clique em links suspeitos e jamais forneça seus dados pessoais e bancários para desconhecidos”, orienta Silvan. 

 

Após terem sido vítimas dessas fraudes, 30% dos entrevistados tiveram o nome negativado. Outro dado relevante do levantamento mostra que 34% dos consumidores não recuperaram nenhum valor. Por outro lado, 66% consumidores que tiveram perdas já conseguiram recuperar uma parte (34%) ou todo o valor perdido (32%). A expectativa em relação à recuperação dos valores perdidos é relatada por 53% das vítimas que não conseguiram resolver a situação, sendo que 44% acreditam na recuperação do valor total. No entanto, 47% já não têm esperanças de reaver a quantia.

 

Considerando aqueles que disseram ter fornecido acidentalmente dados pessoais ou cópias de documentos pessoais para terceiros, 40% cadastraram seus dados em sites falsos de promoção, 39% se inscreveram em suposta vaga de emprego, 22% realizaram compra em site falso sem perceber, 21% receberam um contato telefônico de uma pessoa se passando por funcionário da instituição financeira, 18% receberam notificação falsa para quitação de débito e 18% receberam falso e-mail de banco ou empresa pedindo atualização de dados cadastrais ou bancários.

Silvan orienta que em caso de perda, roubo, furto ou extravio de documentos pessoais e cheques, o consumidor  procure a CDL Palmas e faça um comunicado por meio do SPC Alerta. “Esse registro fica cadastrado em nosso banco de dados e sempre que uma empresa consultar o SPC receberá a informação do roubo ou perda dos documentos. O SPC Alerta ajuda a prevenir que seus documentos sejam utilizados por terceiros em fraudes ou compras sem a sua autorização”, explica. .